Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Incompanhia

A companhia dos (in’s) INcerto INcoerente INconstante

Incompanhia

A companhia dos (in’s) INcerto INcoerente INconstante

Tem tudo a ver com pessoas.

28.06.19 | Delcy Reis

Sim, andamos todos amargurados ou a grande maioria por vezes amargurados com a nossa vida, com o peão que representamos numa visão maior, quando nos comparamos com pessoas da nossa geração, com o que conquistaram por quererem, ou porque foram influenciados por aqueles que nos rodeiam.

Mas, efectivamente tem tudo a ver com as pessoas, e as mesmas compreenderem com o tempo que as decisões que tomamos, podendo parecer precipitadas, foram aquelas que consideramos fazer sentido tendo em consideração as variáveis que para mim se apresentam como sendo as mais importantes: tempo, bem estar e prioridades.

Quando falo do tempo, falo da idade que assumimos ter, pelo seu número e nada mais. Pelo espírito que forçosamente temos que manter, sem ter receio do novo, e do estranho. Não o digo de forma absoluta, mas sim procurando absorver o máximo do novo possível, sempre consciente de eventuais riscos, que podem ou não acontecer. Afinal de contas, e por mais informados que estejamos, muito pouco é controlável.

E, não me despedi de muitas pessoas que foram e são importantes na minha vida, por me sentir amargurada, ou eventualmente esquecida, não me despedi apenas pelo peso e significado que têm e tiveram em determinada etapa da minha vida, pelo projeto partilhado, que deixou de fazer sentido, pelos momentos partilhados, e que não se repetiram.

Apenas por isso não me despedi, porque estão e vão estar sempre comigo, segura que de tempos a tempos os voltarei a ver.

Saí, pela oportunidade dada por outras pessoas, por um novo mundo, por um sonho há muito idealizado e sempre diferido, por influências, por fases de vida, por outros compromissos outrora assumidos, e que terminaram.

E não tem a ver com ser ou não altruista, porque também aprendi que, o altruismo que damos a alguém não é racionalmente decidido, é um fenómeno que não é em nada planificavel. 

E, sim pelos dias que tenho vivido, numa realidade completamente diferente daquela que tenho presente e constante para grande parte da minha vida, as pessoas e a forma como nos acompanham, quer presencialmente, quer não, ou simplesmente pela curiosidade ou lembrança que possam ter da minha pessoa, é o que realmente importa.

A uma grande distância, poder considerar pessoas de países vizinhos aquele em que me encontro como sendo  pessoas "normais", pode ser difícil de absorver mas, é efectivamente uma questão de ajuste, com calma, tal e qual como um ser novo que vem ao mundo.

E que tão bem sabe fazer esse processo novamente, acreditando que o caminho eventualmente irá levar a um resultado diferente,

E, apesar de referir como sendo uma incompanhia, o que é certo é que, pelo cenário, consigo ser capaz de me fazer sentir acompanhada mesmo que por pessoas diferentes, e mesmo sozinha, sentir que posso de quando em vez ser acompanhada.

Numa cidade, quente, com contrastes de excentricidade misturados com a misticidade da cultura arábica, muitas supresas estão a ser absorvidas e até agora bastante positivas.

E, forçosamente irei fazer para que assim continuem.

Os hábitos são idênticos, caminhar na rua, comer um gelado, ir jantar fora. E os problemas também idênticos.

As noites são quentes e algarvias, e as ruas cheiram a perfumes intensos e fortes, brindados com especiarias.

Mas, as pessoas têm sido diferentes, e tão bom que é apercebermo-nos que ainda existem pessoas, amizades, relações que são boas de construir, 

 

 

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.