Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Incompanhia

A companhia dos (in’s) INcerto INcoerente INconstante

Incompanhia

A companhia dos (in’s) INcerto INcoerente INconstante

Shuter Island

12.06.21 | Delcy Reis

Um bom filme, um bom retrato também da atualidade, da negação da realidade. 

Um bom retraro da opinião,  alheia, dos que são separados e nos dizem que sabem que não terei uma vida normal, não sabendo bem o que é uma vida normal, por parte de quem se separa. 

Cada vez mais, e não percebendo bem o meu propósito neste lado do mundo, ajudar aqueles que, de acordo com o momento, fase da vida em que me encontro, me deram aquilo que precisava. 

Neste caso, este filme despertou a vontade de voltar a escrever e relembrar porque é que comecei o blog. 

Comecei a escrever, porque me separei. Aliás, porque nos separámos. 

Porque, após 8 anos de vivencia em conjunto, simplesmente sentimos, sem contrato de casamento, que já não havia mais nada a acrescentar.

Um dos dois queria, acrescentar algo mais, mas não sendo os dois, mesmo com a tão referida resiliência, insistência, tudo desabou.

E sim, para os que se mantém juntos, todos passamos por momentos de auto estima, e todos temos sempre necessidade de ter atenção de alguém: seja de um filme, seja de uma rede social, onde o simples facto de termos algumas pessoas a ver o que postamos, a gostarem da fotografia, já preenche o coração de alguma forma.

Shutter Island mostra bastante bem a perda, loucura, amor, aguentar, desistir, necessidade de tempo de casal, decisões, falta de atenção, ausência.

E a forma como um homem lida, com a perda, com a loucura, procurando esquecer quem efectivamente marcou de forma indescritível a sua vida. 

O amor está sempre presente mas, a vingança também. 

E por mais sonhadora que possa ser, pelo meu signo, pelas minhas aspirações, infelizmente chegou o momento de encarar a realidade. E de forma fria, perante o mundo animalesco que vivemos.

Espero que cada um de vocês tenha a sua própria shutter island, e que tenha o mar por perto. Só ele me salva. Ele ouve tudo o que tenho a dizer. E fica ali.