Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Incompanhia

A companhia dos (in’s) INcerto INcoerente INconstante

Incompanhia

A companhia dos (in’s) INcerto INcoerente INconstante

Dom | 14.01.18

Lapada de gente.

Delcy Reis

Iniciei o ano com uma lapada de gente. Uma lapada de gente diferente, e com vontande de iniciar o ano. Depois do Natal em família, onde, o quente, cinzento e doce acolheram, começa em força um novo ano. Um jantar de amigos, que já não tinha há algum tempo. Sinto que, com o tempo e a evolução de outras relações, as minhas desapareceram, ou tornaram-se mais fugazes, o que é bom. Porque, quando estamos juntos sentimos a diferença: do tempo, da vida, das relações, das memórias, das pessoas. E recordámos. Obrigada por este início de ano, onde numa tertúlia recordei cheiros, sabores filmes e tradições da minha geração. Onde a curiosidade trouxe a conversa. Tenho estado bastante vulnerável a esta estratificação de gerações, à qual anteriormente não me expunha. Tenho estado bastante vulnerável à diferença, não percebendo bem onde me enquadrar. Mas, esta lapada de cerca de quinze pessoas fez-me bem; pela multiplicidade de relações, experiências e perfis. O único ponto que tínhamos em comum, era o facto de termos todos passado por uma gripe forte, onde o lenço, o cachecol e o casaco grosso eram o nosso conforto. Todos fomos jantar, numa noite de Inverno, África, e musica africana, e tão bem que soube este contraste. Back to the old school, a caminhar por essa Lisboa, de um Príncipe Real, de ruas imperiosas e barrocas, que se desembocam na imensidão do rio Tejo. Fomos, a caminhar, a sorrir e a partilhar. Fomos, a escorregar, pela calçada portuguesa, com pelos e cachecóis a barrarem o frio cortante que regelava estalactites no nariz, e quente que se torna em vapor das nossas bocas. Fomos, a falar e a festejar, a nossa amizade, a nossa geração, a nossa cumplicidade, sem qualquer fundamento de razão.