Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Incompanhia

A companhia dos (in’s) INcerto INcoerente INconstante

Incompanhia

A companhia dos (in’s) INcerto INcoerente INconstante

Individualismo do século XXI

28.09.20 | Delcy Reis

space-bubbles-Cafe-du-Soleil.jpg

 

Olá. Hoje inspiro-me para escrever as mudanças que sinto que nos encontramos a viver.

Talvez seja só eu mas, do que vivi, até agora, e do que espero ainda poder viver reflito perante a sociedade do meu país e que se apresenta. E não lhe ponho a culpa, ou então ponho a mim por pertencer a uma geração dita de ser impaciente. E ao ser impaciente, é porque desde cedo aprendeu a interagir com a tecnologia, como facilitador, ou plataforma de comunicação com o mundo. E a não interagir com humanos.

Está em voga não existir pressão, sendo uma falácia. A pressão existe sempre e existirá sempre, porque somos pessoas, que vivemos com tempo, e com decisões fáceis ou difíceis.

Está em voga alimentar apenas as energias positivas. Ou o tal do equilíbrio, ora para manter o que nos faz sentido, balanço entre a vida pessoal e profissional, ao qual acrescentamos a palavra experiência.

Naturalmente que, menos exposta a uma força empregadora 95% internacionalizada, onde culturalmente o suporte que é dado apenas abrange duas bolhas: a familiar e a profissional. Contraste gigante.

Ter um suporte, que não estava de todo habituada a ter, porque tudo o que era construído à minha volta  o foi única e simplesmente pela minha acção e iniciativa.

E confesso, sinto-me numa bolha cinzenta, ou então usando o inglesismo, no 'in between'.

Julgam-me femininista, julgam-me diferente. Sempre foi feito. Sempre foi referida e de forma coerente a intensidade com que adoro viver a vida. E venho a absorver isso cada vez mais como algo não positivo. Mas, a meu entender não o deveria ser.

Desde sempre que me interessei por diversos temas, claramente mais focados na dimensão da minha formação, de vertente económica. 

E quando todos achamos que somos sempre iguais e que nada muda nas nossas vidas, independentemente da trendy inteligência emocional que nos ensina a ver tudo o que de positivo podemos ter, o que é facto é que vivemos tempos estranhos.

Tempos de máscara e olhares desconfiados. Tempos de pandemia que, forçosamente podem invadir a nossa mente, e nos fazer sentir única e simplesmente confortáveis se usarmos óculos escuros, ou então um capucho, porque o controlo, pelo menos onde vivi até à bem pouco tempo era absoluto. Pode trazer uma sensação de segurança, mas também de sufoco.

Tempos em que perdemos cada vez mais a capacidade de sermos humanos. 

E quando o somos, parece que toda a sociedade nos critíca pela fraqueza que possamos ter.

Somos todos fortes, mas as experiências que vivemos, constroem-nos. E repelem, ou por género, ou pelo que seja, aqueles que supostamente, pela nossa criação de pessoa nos deveriam fazer bem, e trazer a tal da felicidade.

Vou pedir um anel emprestado. Só para que a sociedade me deixe pertencer.

Só para que me rotulem de uma maneira diferente, apesar de esse rótulo vir por vezes ou de famílias tradicionais, ou mesmo das disfuncionais.

Todos, desde pequenos vamos sempre atrás da felicidade.

Hoje vi uma criança num horto, a olhar para uma fonte de água, e a avó dizia, e de forma correta "não toque". A criança, procurou logo, outro ser do seu meio para ouvir o sim, procurou logo buscar o sorriso.

Aqueles a quem eu fiz algo de bom, seja profissional, seja pessoalmente, façam-me sentir viva neste ano de 2020.

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.