Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Incompanhia

A companhia dos (in’s) INcerto INcoerente INconstante

Incompanhia

A companhia dos (in’s) INcerto INcoerente INconstante

Girl on the train

12.11.19 | Delcy Reis

Filme de 2016 que só agora me cativou, pelo livro que tenho por ler e que não trouxe por não ter espaço na mala. 

Mas a vontade veio e a curiosidade foi satisfeita. 

Várias foram efectivamente as opiniões que ouvi na altura, e diferentes. 

Filme pesado, bastante onde Megan, Anna e Rachel representam três papéis tão distintos, e cada um deles incrível. 

Pelo medo de erros cometidos anteriormente e não assumidos, não partilhados, por uma busca de entender as vontades e de sentir adrenalina, de se sentir desejada mas não possuída, de opostamenre, quer homem quer mulher não saberem lidar com a estabilidade das relações assumidas ou então como passatempo?

Rachel, por se fechar única e simplesmente à sua percepção de acções, pela não exposição com receio da crítica, apercebendo se que a vida que outrora lhe foi interiorizada, pelo meio e rotina assumidos, não correspondia minimamente a realidade. Pela sua autonestima e pessoa ser constantemente colocada em causa pelo parceiro, é não de uma forma positiva, mesmo que sem espectadores. 

Mostrando que vivemos para a imagem que transmitimos aos outros, pelo que a sociedade por defeito preconceptualiza, pela dita experiência, sendo necessário um segundo terceiro testemunho que mostre que, nem sempre os que são diferentes estão errados. 

Quer pelo nome, quer pela imaginação, Rachel forçada a seguir uma vida imaginária, após ter perdido em ambas as dimensões de sua vida, segue calada e censurada. 

Abriga-se no álcool, abriga-se na pintura, para esquecer, para lembrar.

Recomendo, por todas as três histórias diferentes, e que de tão iguais são.