Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Incompanhia

A companhia dos (in’s) INcerto INcoerente INconstante

Incompanhia

A companhia dos (in’s) INcerto INcoerente INconstante

Ter | 13.03.18

JJ.

Delcy Reis

Voltaram as séries da super women.

Volto a procurar identidade, também neste referencial.

Desde que me conheço que tenho um fascinio especial por tudo o que envolva seres humanos e poderes especiais, talvez porque sei que trazem liberdade, talvez por ser demasiadamente ambiciosa e de procurar desafiar-me além daquilo que conheço existir.

 

Sim coloco-me e exponho-me a isso. Ainda não entendi bem porquê, se é por auto estima, se é por não gostar de me sentir em suspenso na vida.

 

Por vezes, no nosso caminho, julgo que perdemos a nossa identidade, talvez porque a mesma seja construida à imagem das pessoas que nos rodeiam e com quem , por vezes ao não nos identificarmos, acabámos por nos camalear.

 

E então, não sabemos de quem somos, se do mundo, se de nós próprios, se de quem nos criou, se de quem nos acompanhou, em alguma fase da nossa vida.

 

Dizia-me do mundo, para me sentir integrada. 

 

Posso dizer-me de mim, mas isso fará com que pare no tempo, não aceite qualquer evolução.

Jessica, é uma mulher solitária, descrente de si como humana, mas crente como heroína, busca força no álcool, cabedal.

Série atual, pela independencia da mulher, pela volatilidade de relações dos dias de hoje, pelo carisma de mulheres que conseguiram algo, sempre com a penalização de uma das frentes.

 

Toda a idenpendeica, robustez é feita e construida, tendo por base muitas batalhas, perdidas, conquistadas, mas batalhas às quais as heroinas deste dia se expõem.

E para  balancearmos as derrotas, escapamos, para o nosso espirito, corpo e mente, gerindo as três frentes, mas penalizando sempre uma.

 

Não há equilibrio, no triangulo.

Como nós, heróis,  balanceamos o corpo em vícios e prazeres, e procuramos enganar a nossa mente, não acreditando que temos, em cada um de nós, pelo menos um dos sete pecados mortais.

 

A qual dos sete te agarras para sobreviver?